Como Steve Jobs quase arruinou o iPhone



Uma má decisão de Steve Jobs no final do desenvolvimento do iPhone teria essencialmente arruinado o iPhone e custado bilhões à Apple. Felizmente, ele mudou de ideia – eis o que aconteceu…


A história de como o iPhone surgiu é uma história interessante que envolve Steve Jobs, as divisões de Mac e iPod da Apple, e uma série de grandes decisões que, na maioria das vezes, ocorreram sem problemas. Mas houve um erro flagrante da parte de Jobs no início que teria destruído completamente o iPhone de uma só vez, se tivesse sido acionado.

Em 2004, a Apple decidiu que faria um telefone – só precisava descobrir como seria esse telefone. A Apple fez computadores na época, e foi isso. Não era a empresa que você e eu conhecemos hoje. Era muito menor, muito menos influente. Construir um novo produto, qualquer produto novo, especialmente um telefone, era um risco enorme para a empresa.

Projeto roxo da Apple

Desde o retorno de Jobs à Apple, no entanto, a empresa estava voltando do precipício, voltando à lucratividade. Era “pensar diferente” novamente e produtos como o iPod, um dispositivo revolucionário que efetivamente mudou toda uma indústria em poucos anos, mostrou que a Apple, quando colocou a cabeça no lugar, poderia inovar com o melhor deles.

Como Steve Jobs quase arruinou o iPhone
  • Salvar
Quando a Apple estava descobrindo que tipo de software o iPhone usaria, Jobs teve uma decisão a tomar: “encolher o Mac” ou “expandir o iPod”?

A maré estava mudando para a Apple e agora era hora de a empresa avançar com algo enorme, algo que nunca havia feito antes. Era hora da Apple criar e construir seu iPhone. Esse processo, do desenvolvimento ao lançamento, levaria alguns anos, possivelmente mais. As linhas do tempo são nebulosas, devido ao lendário sigilo da Apple, mas a maioria concorda que o iPhone “tornou-se uma coisa” em 2004 como parte do secreto Projeto Roxo da Apple.

Durante esse tempo, o mercado móvel era, obviamente, MUITO diferente. Marcas como a Nokia e a crescente BlackBerry eram dominantes. O agora extinto Symbian OS dominou o mercado, seguido por sistemas operacionais proprietários baseados em Linux. Muitos telefones ainda tinham teclados T9, a maioria não tinha conexão com a internet, e Snake era o único jogo que as pessoas realmente tinham acesso em seus telefones.

Mas a mudança estava ao virar da esquina, uma mudança que nos levaria a onde estamos hoje – e a Apple seria uma força motriz crucial por trás disso. Mas um erro inicial de Steve Jobs quase descarrilou todo o conceito. Se Jobs tivesse conseguido o que queria, o iPhone como o conhecemos, com sua funcionalidade atual e a App Store, simplesmente não teria existido. Teria falhado espetacularmente e, potencialmente, falido a Apple no processo.

Como Steve Jobs quase arruinou o iPhone

A quantidade de magia técnica, engenharia e testes necessários para criar o primeiro iPhone foi enorme. O grande número de peças móveis, o número de pessoas envolvidas, as mil e uma decisões que tiveram que ser feitas e executadas perfeitamente por milhares de engenheiros, desenvolvedores e designers. É o suficiente para fazer sua cabeça girar.

Quando a Apple estava descobrindo que tipo de software o iPhone usaria, Jobs teve que tomar uma decisão: se a Apple “encolher o Mac” or “expandir o iPod”? Ele não sabia, então, para descobrir, o CEO colocou as divisões Mac e iPod da Apple novamente em confronto direto para ver quem apresentaria a solução mais elegante para o sistema operacional do iPhone.

No final, foi a equipe do iPod, liderada por Scott Forstall e Tony Fadell, que venceu. Eles criaram a primeira iteração do software que seria executado dentro do primeiro iPhone da Apple, bem como a primeira versão da App Store da Apple. Naquela época, o sistema operacional era conhecido como iPhone OS. Mesmo no lançamento, Jobs se referiu à plataforma como iPhone OS. Na verdade, não foi até 2010 que o iPhone OS foi renomeado como iOS.

Extraído da história do iOS

Se Jobs tivesse o que queria, a App Store teria sido muito diferente…

O primeiro iPhone foi lançado em 2007. Antes disso, Jobs lançou o iPhone OS na Macworld Conference & Expo da Apple em 9 de janeiro de 2007. E foi aqui que as coisas quase deram muito errado para o iPhone. Durante esse período, Jobs não tinha certeza se permitiria ou não que a legião de desenvolvedores da Apple criasse aplicativos para o iPhone. Inicialmente, Jobs queria que todos os aplicativos para iPhone fossem construídos internamente.

Ele estava tão comprometido em NÃO permitir que desenvolvedores de terceiros criassem aplicativos para o iPhone que disse a eles para focar sua atenção na criação de aplicativos da web para o navegador Safari. E o motivo disso? Jobs acreditava que permitir aplicativos de terceiros no iPhone diluiria o apelo do telefone. Você tem que lembrar, naquela época os aplicativos como os conhecemos hoje simplesmente não existiam – foi a Apple, e o sistema operacional Android do Google, que mudou isso.

Mas quase não aconteceu. Você consegue imaginar um iPhone SEM uma App Store cheia de aplicativos e jogos de terceiros? Se Steve Jobs NÃO tivesse se oposto a um exército de desenvolvedores e muitos executivos da Apple, isso teria acontecido e, em vez de ter aplicativos nativos que rodam perfeitamente no iPhone, você teria que se contentar com aplicativos da web que rodavam no navegador Safari do iPhone. .

Mesmo quando o primeiro iPhone foi lançado, Jobs bloqueou a criação de aplicativos nativos para a plataforma. Aqui está o que ele disse durante a Macworld 2007, após o lançamento do primeiro iPhone:

O mecanismo completo do Safari está dentro do iPhone. E assim, você pode escrever incríveis aplicativos Web 2.0 e Ajax que se parecem e se comportam exatamente como aplicativos no iPhone. E esses aplicativos podem se integrar perfeitamente aos serviços do iPhone. Eles podem fazer uma ligação, enviar um e-mail, procurar um local no Google Maps.

E adivinha? Não há SDK que você precisa! Você tem tudo o que precisa se souber escrever aplicativos usando os padrões da Web mais modernos para escrever aplicativos incríveis para o iPhone hoje. Então, desenvolvedores, achamos que temos uma história muito legal para vocês. Você pode começar a construir seus aplicativos para iPhone hoje.

Steve Jobs

Steve Jobs ODIOU a ideia de aplicativos de terceiros

Por que Jobs não gostou da ideia de aplicativos de terceiros para iPhone? Tudo se resumia às complexidades de policiar a qualidade e distribuição de conteúdo de terceiros. Ele sentiu que seria um pesadelo logístico que custaria muito dinheiro e/ou que abriria a Apple para todos os tipos de exposição/problemas indesejados. Novamente, naquela época, as lojas de aplicativos modernas como as conhecemos hoje não existiam – a Apple teve que descobrir isso do zero. Assim como o Google.

Mas os desenvolvedores da Apple chegaram ao topo, reclamando em massa e, depois de muita pressão dos executivos da Apple e da legião de desenvolvedores da empresa, Jobs aquiesceu e concordou em permitir aplicativos de terceiros no iPhone. Em 2007, a Apple confirmou que lançaria um SDK do iPhone para os desenvolvedores usarem. O primeiro SDK para iPhone foi lançado em 6 de março de 2008 – quase 12 meses completos após o lançamento do primeiro iPhone. E o resto, como eles falam, é história.

Após o sucesso do iPhone 3GS da Apple – seu primeiro grande sucesso – o número de aplicativos disponíveis na App Store começou a disparar. Quando o iPhone 4 chegou, a Apple estava a caminho de se tornar a marca de telefones mais proeminente; ela tinha o maior número de aplicativos em sua loja, o hardware mais bonito, e o iOS estava em constante desenvolvimento, adicionando novos recursos a cada nova atualização.

Por que os desenvolvedores tendem a preferir o iPhone ao Android

Quando o iPhone chegou ao mercado pela primeira vez, e até agora, a maioria dos desenvolvedores tendem a preferir a plataforma Swift da Apple para implantar aplicativos. Apesar da plataforma Android do Google ser muito maior, muitos desenvolvedores ainda se concentram no iPhone da Apple. E a razão para isso se deve principalmente ao fato de que A) os usuários do iPhone tendem a gastar mais dinheiro e B) a implantação de aplicativos no iPhone é uma dor de cabeça menor para os desenvolvedores.

Como assim? Pense nisso: A Apple realmente faz apenas UM telefone, e antigamente ele realmente fazia apenas um telefone, então isso torna a vida muito mais fácil para os desenvolvedores ao otimizar seus aplicativos para implantação – há menos testes e menos coisas com que se preocupar. Mesmo agora, com quatro novos modelos lançados a cada ciclo, os telefones em si são mais ou menos os mesmos – apenas com tamanhos de tela diferentes. Com o Android, existem centenas de modelos diferentes de telefones, rodando diferentes versões do Android, em estado selvagem.

É por isso que, na maioria das vezes, quando um novo aplicativo de grande nome é lançado, geralmente está disponível apenas no iPhone no início. Concedido, isso nem sempre é o caso hoje em dia. Mas durante o final da década de 2010, o iPhone da Apple era a plataforma de fato para todos os melhores aplicativos. E depois de usar tanto Android quanto iPhones extensivamente na última década, eu diria que até hoje aplicativos tendem a ter melhor aparência e execução no iPhone.

  • Salvar

Richard Goodwin

Richard Goodwin trabalha como jornalista de tecnologia há mais de 10 anos. Ele é o editor e proprietário da KnowYourMobile.

Continue lendo

Compartilhar via
Link de cópia
Distribuído por Snap social